sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Zeca e Joca em: Depois do Natal.

Aconteceu num belo dia nublado de 26 de dezembro, num velho asilo para soldados da borracha, lá ainda viviam Zeca e Joca.

_ ô Zeca!
_ Que foi Joca?
_ Que que tu ganhou de natal cumpadi?
_ Um Panetone do governo.
_ Olha aí eu também, ah, que pena que o natal passou.
_ E por que?
_ Ué, é um epoca bonita de amor, de paz, de confraternizações.
_ Realiza Joca, somos velhos, decrépitos, inúteis, nossos parentes nos jogaram esquecidos aqui, e nem mesmo telefonaram pra desejar feliz natal. A gente tá é esquecido aqui.

Eis que vem uma voz do outro lado da varanda.

_ Olha que coincidência, eu também to esquecido, aquele barrigudo vermelho, o que ele tem que eu não tenho? Distribui presentes, e eu? Distribuí Paz, Amor, Salvação eterna para a alma, porra, fui crucificado pra salvar esses ingratos, olha que o Cão inda me avisou, mas não, eu estava cheio de amor pra dar, é assim, é assim. Mas eu to legal, pelo menos ainda tenho os religiosos.... eu to fudido mesmo.

_ Esse aí fica rabugento no Natal, afinal o Zeca, quem é esse velho?
_ O bicho burro, tu num ta reconhecendo Jesus Cristo não?
....
_ Nunca ouvi falar.
_ Hum...
_ Mas o Zeca?
_ Que foi Joca?
_ Se esse Jesus Cristo ta aqui.ISSO NUM QUER DIZER QUE A GENTE TA MORTO NÃO?!!!!!
_ É, veja bem...


Gildson Góes.
Feliz dia depois do Natal.
Postar um comentário