quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Jack the Joker na Progressive Metal do Spotify

Já falei da Jack The Joker por três vezes nesse espaço aqui, aqui e aqui  e por que tanta insistência em falar dessa banda? Porque acho eles muito bons. É uma das minhas bandas nacionais favoritas desde que meu amigo Oscar me apresentou eles, lá por 2013 eu acho. Em 2014 eles lançaram o primeiro disco In The Rabbit Hole e foi quando tive certeza que essa banda merecia ser conhecida e reconhecida no cenário metal nacional. 

Hoje o mesmo amigo que me apresentou a banda me avisou que duas músicas dos caras tinham entrado em um playlist oficial de Progressive Metal do Spotify, conhecido servido de streaming que vivo usando aqui no blog. As músicas "Volte Face" e "Brutal Behavior" tão lá listadas ao lado de nomes consagrados do Prog Metal como Dream Theater, Symphony X e Evergrey. 

Ainda não é o Grammy, mas um dia eles chegam lá. Acredito muito nessa banda. A playlist você confere aí embaixo.



domingo, 15 de janeiro de 2017

Sepultura - Machine Messiah

Existem duas coisas nas quais o Sepultura não tem interesse. Uma é perder sua identidade e a segunda é se repetir. Há uma pequena interseção entre esses dois pontos onde a banda consegue fazer um trabalho original sem deixar de ser quem é. Machine Messiah, seu 14º disco, consegue acertar precisamente nesse ponto ao se mostrar um disco moderno, original, inovador e ousado, até onde o limite da prudência admite para que sua sonoridade não deixe de soar Sepultura.

Muito da inovação nesse disco, a própria banda credita ao seu produtor, o sueco Jens Borgen, que teve total liberdade para opinar e trazer novas idéias às composições, tornando-se de certo modo o quinto integrante do Sepultura nesse disco.

Vemos um Sepultura trazendo elementos novos às suas composições. Um deles, cortesia de Borgen, é a orquestra tunisiana que dá um leve toque médio oriental às canções "Phantom Self",  "Sworn Oath" e "Resistance Parasites", sonoridade que caiu muito bem no som da banda, muito mais do que uma orquestra ocidental teria conseguido.

Outra novidade é Derrick Green explorando outras facetas de sua voz na faixa título "Machine Messiah", uma canção pesada, sombria e climática, e na música de fechamento "Cyber God", dois momentos em que o Sepultura soou, pelo menos para mim, como o Machine Head em seus mais recentes trabalhos, mas sem deixar de lado as características sonoridades do Sepultura, seja nos riffs ou no ritmo da bateria.

O Sepultura clássico aparece nas faixas "I am the enemy" e "Vandals Nest", trash acelerados, baseadas em riffs certeiros de Andreas Kisser, serão excelentes trilhas sonoras para as rodas de mosh quando tocadas ao vivo.

"Aletheia" para mim foi o patinho feio do disco. Mostra as capacidades técnicas da banda, com destaque para o baterista Eloy Casagrande, entretanto, apesar de ser uma composição ousada, para mim foi exagerada, tornando-se confusa.

A instrumental "Iceberg Dances" reúne o que de melhor tem o Sepultura, bons riffs, muito groove, musicalidade latina com utilização de instrumentos acústicos dando uma bela adição de harmonia ao peso da banda. A canção do disco que mais remete aos tempos de Chaos A.D. e Roots.

Machine Messiah é um dos discos mais interessantes do Sepultura, para mim é consideravelmente superior aos dois últimos "Kairos" e "The Mediator...", isso porque me mostra um Sepultura interessados em fazer coisas novas e com resultados excelentes como foram nos discos "Dante XXI" e "A-lex", discos que eu mais gosto da era Derrick Green. Torço para que a banda faça mais lançamentos como esse, com o olhar no futuro.

Disse lá no primeiro parágrafo que o Sepultura não é uma banda interessada em perder sua identidade, bem, se nos próximos lançamentos eles quiserem abrir mão um tiquinho mais da identidade em busca de novos sons, eu certamente não vou achar ruim. E você?





quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Moana - Um mar de aventuras ou uma jornada de autoconhecimento

Em determinado momento do filme Maui, o semideus, define a aventura como saber para onde se quer ir, sem que esquecer por onde você já passou. Alcançar esse equilíbrio entre o familiar e o desconhecido, passado e presente, o tradicional e o novo parece ser a verdadeira busca da jovem heroína do mais recente filme da Disney: Moana - Um Mar de Aventuras.

A jornada de Moana traça vários paralelos com o conceito de jornada do herói: o chamado para aventura; a reticência do herói; o mestre, no filme representado pela avó; o aliado, Maui (Semideus, transmorfo, heroi do mundo, em sua própria descrição); a superação dos primeiros desafios; uma ligeira derrota traumática e por fim a recompensa. Todas as características do estilo estão lá, entretanto, é em sua conclusão que Moana se revela muito mais uma jornada de autoconhecimento. 

Saber quem você é e onde está é a tônica que guia o filme, tanto em sua narrativa quanto nas canções tema que o embalam, todas excelentes diga-se de passagem. Da tradicionalista e conservadora Where You Are (Onde você está), cantada pelo pai de Moana, apegado a terra e à tradição de seus antecessores, à linda How Far I'll Go (Quão longe irei), onde a personagem principal expressa seu desejo de saber até onde pode chegar através do oceano, passando pela, também linda, Whe Know The Way (Conhecemos o caminho), canção dos ancestrais de Moana. 

A chave para o sucesso da aventura surge justamente quando Moana, após todos os quilômetros percorridos, lembra quem é e de onde veio e percebe onde quer chegar alcançando assim o equilíbrio entre as duas vontades conflitantes dentro de si o que a leva a descobrir quem ela é, e tal qual seus ancestrais, saber o seu caminho. E é através desse conhecimento que a personagem percebe que ao final não havia real vilão a ser derrotado, apenas recuperar o que há muito tempo fora perdido, tanto para si, quanto para Te Fiti, quanto para sua vila. 

Tudo isso é mostrado de forma leve, com muito humor politicamente correto e, o que mais me impressionou num filme da Disney, uma pequena dose de auto paródia (repare a descrição de Maui sobre princesas ou a cena pós créditos com Tamatoa o caranguejo gigante). 

Os critério técnicos da animação são soberbos de bons, o movimento das roupas, do mar da natureza são tão perfeccionistas que nos fazem sentir a ambientação. Chega a impressionar saber que é o primeiro trabalho em CG dos diretores. A trilha sonora, também é um espetáculo a parte, é a mais bonita dessa mais recente safra de filmes Disney. 

Um filme infantil sem dúvida, mas recomendado para todas as idades.


segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Dos Compromissos de ano novo

Obrigado eventual leitor que acompanha meu blog, eu sei que pelo menos um leitor fixo eu tenho, além de eu mesmo óbvio. Pretendo escrever mais esse ano. Mais e melhor. Não vou estabelecer metas, elas foram feitas pra gente deixar de lado ao longo do ano, vou estabelecer um compromisso. Não deixar a preguiça vencer, forçar minha mente a produzir.

É um compromisso não especialmente para esse blog, mas para vida, venho forçando isso desde 2015. Até essa data eu estava num ostracismo, tinha caído naquela zona de conforto que não exatamente onde a gente quer estar, mas também não é tão ruim. Resolvi sair, não exerci a faculdade que me formei, não gostava mais do curso que eu estava fazendo (fazendo não, empurrando com a barriga), então, qual o sentido disso? Queria estudar algo e exercer esse algo no futuro, não ficar na zona de conforto achando que todos os meus anos de faculdade foram em vão. Voltei para a faculdade no curso que eu queria estar e estudando a sério.

Outra coisa foi a leitura, estava lendo pouco, muito pouco. O que não me era natural há alguns anos, quando lia muito e lia de tudo, ano passado foi o ano de voltar ao hábito da leitura. Hábito que esse ano pretendo expandir, junto com outro hábito que há muitos anos deixei para trás, mas que me faz falta, escrever, não que eu não tenha escrito, mas escrevi pouco, muito pouco e não gostei de maior parte do que escrevi. Quero escrever mais esse ano, quero tornar um hábito de novo e quem sabe até o fim do ano eu escrevo algo que preste.

Esse ano também quero fazer algo que já fiz na infância, mas fiz de forma muito ruim, video games. Bateu uma vontade de jogar, já sei até o jogo que quero. Esse objetivo é um pouco mais dificil porque envolve investimentos financeiros, mas vá lá, a gente dá um jeito, até o fim do ano quero ter aprendido a jogar aquele jogo, depois a gente aprendendo o resto.

Então, eventual leitor, espero que você veja atualizações mais constantes aqui no blog, se você ver então terei cumprido meus objetivos.

Feliz Ano Novo, do fundo do meu coração não acho que o ano vá ser lá essas coisas, mas um bom ano se constrói baseado em como a gente enfrenta as adversidades que vêm de encontro a nós. Pra encarar esse ano transcrevo pra vocês Resist do Rush. Força aí e bom 2017

Resist

I can learn to resist
Anything but temptation
I can learn to co-exist
With anything but pain
I can learn to compromise
Anything but my desires
I can learn to get along
With all the things I can't explain
I can learn to resist
Anything but frustration
I can learn to persist
With anything but aiming low
I can learn to close my eyes
To anything but injustice
I can learn to get along
With all the things I don't know
You can surrender
Without a prayer
But never really pray
Without surrender
You can fight
Without ever winning
But never ever win
Without a fight

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Os discos que mais gostei em 2016

Para não ficar de fora das clássicas listas de final de ano vou fazer uma lista pessoal do que mais consumi em termos de cultura pop esse ano, música, proponho uma lista dos álbuns que mais gostei em 2016 sem pretensão de que sejam considerados os melhores do ano, até porque minha lista abrange basicamente um estilo, o rock/metal, basicamente 90% do que consumo em música. Mas óbvio, a gente flerta com outros estilos também.

Vamos lá:




















David Bowie - Blackstar
Bowie fez sua despedida do mundo acompanhado de um grupo de jazz ao som do sax, sete canções, tristes, porém poéticas, todas lindas, um clássico do músico.






















Gojira - Magma
Unindo peso e groove e uma pitada de psicodelia, essa banda francesa faz um trash metal inovador trazendo idéias novas para um estilo que muitas vezes parece estagnado.






















Jack The Joker - Mors Volta
Músicos extremamente técnicos fazem aqui um Metal Progressivo de primeira qualidade, porém o que marca é o groove e o peso que a banda injeta em suas canções com muita criatividade, no âmbito do Heavy Metal foi o melhor lançamento nacional, mais abaixo tem uma resenha bem explicada desse disco, não deixe de conferir.





















Rival Sons - Hollow Bones
Comparada ao Led Zepellin, quando surgiu em 2009, o que não é pouco elogio, a banda vem consolidando sua identidade. Hollow Bones seu mais recente disco, incorpora o blues clássico ao Hardrock com resultados sensacionais, um disco rápido, mas marcante.





















The Baggios - Brutown
Apesar do nome, esse é um duo de rock brasileiro, e dos bons, as canções são cantadas em português e o estilo é um rock blues retrô, porém misturados a elementos da música brasileira, no caso, da música nordestina, provavelmente o melhor disco de rock brasuca do ano...





















Huaska - Fim
... o quarto disco do Huaska, porém é um competidor forte, de estilo mais pesado, aquela zona cinzenta entre rock e metal que chamam Hardcore, essa banda também busca na música brasileira a inspiração para criar um som inovador, nesse caso, as influências principais vêm do samba e bossa nova.





















Ghost - Popestar
Não é um disco de verdade, é um EP, ou seja é um disquinho, com uma canção inédita e quatro covers. Uma coisa que torna o Ghost interessante no mundo Heavy Metal é o constante flerte da banda com o Pop, há muito já se sabe que o satanismo da banda é um pastiche do occult rock dos anos sessenta (ou setenta), agora eles parecem se divertir com isso e sempre escolhem para cover musicas do universo pop, porém sempre dando sua roupagem pesada e retrô às canções. Curtinho e espetacular eu recomendo vivamente esse disco, é diversão na certa!





















Avantasia - Ghostlights
Poucas banda conseguem manter um Power Metal tão clichê e ainda assim continuar legal pra caralho como o Avantasia de Tobias Sammet. Ghostlights é, do início ao fim, estruturado como um musical da Broadway, cheio de duetos e participações e especiais é um disco divertido, tem uma histórinha pra você acompanhar também, mas nem é tão importante assim, o legal mesmo é entrar no clima viajar nos refrões grudentos das canções.





















Baroness - Purple
O disco é do ano passado, mas foi lançado tão no fim que só deu pra curtir mesmo esse ano, então está nessa lista. É muito difícil definir o som dessa banda e creio que é isso que torna ela tão boa, tem peso, muitos riffs marcantes, mas também muita melodia e momentos de verdadeira delicadesa, é marcante, só ouvindo pra sacar, então para de perder tempo e vá atrás da discografia desses caras.





















Leonard Cohen - You Want It Darker
Comecei e agora termino essa lista com mais uma despedida, Leonard Cohen, com menos alarde lançou seu último disco e dias nos deixou para sempre. Música feita de sons e silêncios é o que falei sobre esse disco, a voz profunda, gutural e marcante de Cohen é levada através de belíssimas e delicadas melodias, mas também por silêncios profundos e meditativos.

Boas festas!

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Jack The Joker - Mors Volta

 Metal Progressivo é o nome dado ao subgênero que uniu as experimentações musicais do rock progressivo dos anos 70 com o peso e distorção do heavy metal dos anos 80. Nessa categoria estão juntos bandas com sons tão díspares quanto Symphony X e Opeth, clássicas como Dream Theater e inovadoras como Mastodon. O desafio é agregar ao metal elementos como o jazz, folk e música erudita e daí sair um resultado coeso, o que nem sempre ocorre, fazendo com que o estilo seja conhecido principalmente pelos seus excessos. Porém, o estilo também conta dentre suas características com a habilidade técnica de seus músicos, além da criatividade e inovação de seus compositores.

O paradigma do estilo foi definido nos anos 90 por bandas dos Estados Unidos e Europa, embora nunca tenha sido um estilo massificado, conquistou seu nicho de fãs e influenciou diversas bandas ao longo dos anos. O Brasil não chegou a produzir um grande nome no estilo, embora características do prog estejam presentes nas duas mais famosas bandas nacionais Angra e Sepultura. É certo que há uma grande quantidade de bandas de progressivo de inquestionável qualidade, mas ainda assim não há um grande representante nacional do estilo. Lacuna que pode ser preenchida com o trabalhando da banda cearense Jack The Joker.

Será cedo para dizer que a banda está aí para suprir essa lacuna? Após o ouvir o segundo e mais recente disco da banda, creio que não. 

"Jack The Joker" é um quinteto surgido em Fortaleza, lançou seu debut "In The Rabbit Hole" em 2014 e surpreendeu tanto pelo virtuosismo técnico de seus membros quanto pela altíssima qualidade das composições: intrincadas, complexas, ora mais extremas e pesadas, ora mais suave e acústicas, mas sempre coesas, sem se perder na virtuose de seus músicos. A banda vem divulgando seu trabalho principalmente através da internet, seus discos estão disponíveis em plataformas de streaming, youtube, download, venda física, além de intensa atividade no facebook oficial onde divulgam seus shows, lançamentos e vídeos.

Dois anos após a estreia, a banda lança seu segundo disco "Mors Volta". Dizem que o segundo disco é um teste. Os primeiros discos, em geral, são reuniões de composições que foram amadurecidas ao longo dos primeiros anos de ensaio e apresentações de uma banda, já o segundo chega com menos tempo e mais exigência para compor um disco inteiro, fechado e redondinho para lançamento. É quando a banda mostra a que veio, mostra seu poder de composição e capacidade de manter ou até superar a qualidade inicial. Jack The Joker passa no seu teste? Com louvor.

"Mors Volta" é superior a seu antecessor, mostra um banda com sua identidade definida, mas sem abandonar a criatividade com composições ainda mais coesas. A banda escolheu investir em peso e "groove" que permeiam todo o álbum dando um ar "jam" a certos trechos e chegando a ser quase dançante na canção "Brutal Behavior". É difícil dizer, no meio tantos músicos talentosos, quem se sai melhor, como os guitarristas Lucas Colares e Felipe Facó, milimetricamente técnicos ou a capacidade do vocalista Raphael Joer que consegue ir do gutural ao agudo, mas é preciso destacar a cozinha formada por Vicente Ferreira, cuja bateria executa dos movimentos complexos ao simples com precisão e o baixo de Lucas Arruda que injeta groove com seus slaps nos momentos certos de cada canção.

O disco impressiona desde seu início com as viradas de bateria que lembram muito a introdução de "The Wolf is Loose" do Mastodon, mas que segue numa pegada que lembra essa fase mais pesada de prog metal que o Symphony X vem mostrando desde "Paradise Lost", com a diferença que o Jack the Joker tem mais ritmo e menos interesse em compor baladas. O que não quer dizer que a banda não tenha um lado mais melódico, se em seu primeiro disco já haviam mostrado bom gosto ao enxertar instrumentos acústicos em algumas composições, em "Mors Volta" ela se guarda para o final. "Venus & Mars", canção de encerramento é a mais ambiciosa do disco, tem 24 minutos de duração e busca um síntese de toda a musicalidade apresentada pela banda: peso, groove, jams instrumentais, virtuosismo correndo solto, somados à adição de trechos acústicos belíssimos com flautas e violões construindo momentos contemplativos na cação, sem dúvida a melhor composição do disco. Tudo isso embrulhado numa capa cuja arte me remete ao primeiro disco do Black Sabbath, além de uma altíssima qualidade de gravação, basta uma audição atenta ao disco e todos os instrumentos se mostram claros e límpidos aos ouvidos, ressaltando o talento de cada músico.

Jack The Joker é uma banda que faz bonito e tranquilamente pode ser colocada ao lado dos grandes nomes do metal progressivo como Dream Theater, Opeth, Symphony X, etc. sem ficar devendo em nada aos clássicos. Só o que falta agora é o mundo e os metaleiros do Brasil conhecerem esse nome promissor do metal brasileiro.


Ouça no Spotify:



domingo, 20 de novembro de 2016

Pink Floyd: os primeiros anos

O Pink Floyd é uma banda de várias facetas. Começou em meados dos anos 60 carregando o nome de dois blues mans, porém fazendo um som psicodélicos que misturava rock, jazz, o próprio blues e várias outras viagens sonoras inclassificáveis. Eram guiados pelo gênio de Sid Barret e ao longo de seus primeiros anos lançaram uma série de materiais que não entraram na discografia oficial da banda.

Isso tudo foi antes da fase mais pomposa da banda, que compreende o lançamento de The Dark Side of the Moon à The Wall basicamente, época em que o Floyd se tornou uma máquina de lotar estádios e fazer dinheiro. Época também, dos show grandiloquentes, cheio de efeitos e luzes, que tiveram sua representação máxima nos shows megalomaníacos de The Wall, uma turnê que praticamente acabou com a banda. Essa fase se tornou o rosto do Pink Floyd para o mundo.

A época anterior, entretanto, foi bem diferente, shows pequenos clubes, menos dinheiro e menos efeitos, mas muita música e principalmente muita viagem inspirada em alucinógenos e criatividade. Foi um época de composições mais curtas, mas nem por isso menos inspiradas. Essa fase é que o está retratado num recente box lançado pela banda, que também conta com uma versão para os serviços de streaming.

Não sou muito fã desses lançamentos caça niqueis
, mas esse é bastante interessante, por ser completo e conter muitas músicas fora da discografia oficial que não são exatamente fáceis de encontrar por aí. Abrange toda a época do inicio da banda até o disco Obscured By Clouds, anterior a Dark Side, ou seja, toda a fase menos famosa da banda. É muito bacana ouvir raridades como Embryo, Point Me At The Sky, as músicas que a banda compôs para um filme chamado Zabriskie Point, além de primeiras versões como Nothing, prévia de Echoes. Um perfil do Pink Floyd antes de ser o Famoso Pink Floyd.

Recomendo.

sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Música feita de sons e silêncios ou minha homenagem a Leonard Cohen

Leonard Cohen 1934 - 2016
A primeira vez que ouvi a música de Leonard Cohen foi num domingo de manhã, era cedo, estava nos meus afazeres matinais, preparar café, regar plantas, essas coisas... e geralmente gosto de fazer isso ouvindo música, nesse em dia em particular, abri meu aplicativo de streaming e decido ouvir algo que nunca tinha ouvido antes,  um disco de Leonard Cohen, cantor de quem já tinha ouvido falar, mas nunca tinha escutado. Ouvi o disco Can't Forget: A souvenir of the Grand Tour, disco ao vivo de 2015 com registro de vários shows sua última turnê. Ao final da audição, óbvio eu já amava o disco, automaticamente, já tinha virado admirador do músico e por fim, me recriminei por ter demorado tanto tempo para conhecer o trabalho do cantor.

Isso não aconteceu há muito tempo, foi nesse ano, na verdade, faz poucos meses. Conheci Cohen já aos 45 do segundo tempo de sua vida, de lá pra cá já dei uma boa vasculhada na discografia do cara, facilidades da internet, a pesquisa, obviamente, corroborou a premissa inicial, eu adoro a música de Leonard Cohen. Mas por que gostei tanto dessa música? Não sei, acho difícil dizer o que me faz gostar tanto de determinada música. Nesse caso específico, creio que foi a voz marcante de Cohen, grave, forte, seu estilo meio cantado, meio recitado de suas letras, o bom gosto harmônico de suas canções, o minimalismo nas composições, mas a principal característica que identifiquei na sua música, o uso do silêncio.

Canções são compostas por sons, óbvio, existem aquelas construídas em camadas e camadas de sons que se sobrepõem, sem parar até o final, sem espaços vazios, sem silêncios, mas existe outro tipo de canções que usam o próprio silêncio em sua composição. Nesse tipo o que não se ouve é tão importante quanto o que se ouve, o silêncio é tão importante quanto a canção, talvez porque o silêncio ressalte a beleza da harmonia que está sendo executada, o silêncio aqui serve como um foco, que não nos deixa perdidos num mar de sons, mas nos orienta e guia através aquela determinada harmonia que está sendo executada, ressaltando sua beleza.

Trago um exemplo para ilustrar minha reflexão, existe uma composição do King Crimson chamada Trio presente no disco Starless and Bible Black, que foi gravada num improviso de melotron, baixo e violino ao vivo, a música está creditada aos três membros, que efetivamente tocam na composição, mais Bill Bruford, o baterista, embora não haja bateria ou qualquer tipo de percussão na música, entretanto a banda considerou que sua decisão de não tocar foi crucial para o resultado final da composição, logo, o silêncio da bateria foi tão importante quanto os sons dos demais instrumentos.

Música feita de sons e silêncios, assim vejo a obra de Leonard Cohen. Em 94 ele foi ordenado monge budista e segundo li recebeu o nome Dharma de Jikan, que quer dizer "silencioso", muito apropriado, se isso for verdade.

Falando em silêncio, o homem faleceu ontem, dia 10 de novembro de 2016. Ontem o homem silenciou para sempre,  não sem antes deixar mais um disco You Want it Darker, escute-o e veja, lá estão os sons e os silêncios que Cohen deixou de presente pra nós.

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

HOLY LAND 20 Anos

 O ano de 2016 marcou o aniversário de um dos meus discos de metal brasileiro favoritos, Holy Land, o segundo disco do Angra. A banda, surgida em 1992, pegou o embalo da vertente metal chamada Power Metal, um estilo mais acelerado e limpo de heavy metal, com vocais mais melódicos e mais agudos, algumas banda adotavam um tom mais épico em suas composições, outras, flertavam com toques de música clássica, dentre esses últimos, estava o Angra.

A época formado por Andre Matos, vocal, Rafael Bittencourt e Kiko Loureiro, guitarras, Luis Mariutti, baixo e Ricardo Confessori, Baterias, a banda tinha acabada de encerrar a turnê de seu primeiro disco, Angels Cry. O primeiro disco, aliás, já foi por si só uma grande conquista da banda, power metal com toques de música clássica e que gerou o primeiro, e maior hino do Angra até hoje, Carry On.

Quando a banda começou a pensar em seu segundo disco, decidiram, ao invés de repetir a fórmula de seu primeiro disco, inovar mais dentro de seu som e buscaram, nas sonoridades regionais brasileira a inspiração para construir sua segunda obra. E o fizeram com sucesso, tendo em vista que ainda hoje, com oito discos na sua discografia, Holy Land continua sendo um dos grandes marcos da banda. Mas não vou me alongar na história do disco ou na sua importância no contexto do heavy metal nacional, essas informações podem ser encontradas facilmente na internet.

Holy Land não foi o primeiro disco que escutei do Angra, conheci a banda através do seu segundo disco ao vivo Rebirth Wolrd Tour de 2002, nessa época já havia ocorrido a cisão na banda, seu vocalista novo era Edu Falaschi, que possuí um estilo vocal bem diferente de seu predecessor Andre Matos. Ainda assim, era a primeira banda de heavy metal brasileira que eu conhecia, não demorou até que eu fosse atrás de sua história e descobrisse que aquela banda tivera uma formação diferente no passado. Ao pesquisar esse passado é claro que gostei imediatamente de Angels Cry, Fireworks com seu estilo mais direito e sujo demorou um pouco mais para me agradar, mas foi ao ouvir Holy Land, que meu queixo caiu no chão.

Certamente o Angra não era a primeira banda de rock a misturar elementos brasileiros em suas composições, aliás no mesmo ano de Holy Land, 1996, o Sepultura lançou um disco também histórico Roots que buscou influência na música indígena. Mas ainda antes disso muitos artistas trouxeram a música brasileira para o rock, ou por outro ponto de vista, trouxeram o rock para a música brasileira, Mutantes é uma banda que me vem imediatamente à cabeça com sua mistura de rock e baião na canção Dois mil e Um, Novos Baianos também fizeram essas experimentações, enfim uma pesquisa revelará vários nomes, mas eu não os conhecia a época, de modo que lá nos meus treze anos a mistura de sonoridades afro-brasileira em Holy Land era inédito para mim e quando ouvi achei tudo fantástico.

Mas não é apenas na sonoridade que Holy Land mostra sua identidade brasileira, toda a arte do disco é baseada nesse conceito, suas letras, sem pretensões narrativas ou rigor histórico, falam da descoberta do Brasil, de navegações, aventuras rumo ao desconhecido e até mesmo dos horrores do confronto étnico causado pela descoberta das novas terras. A arte gráfica simula uma carta marítima do século XV com uma rosa dos ventos colorida sobreposta a imagem, enfim todas as artes do disco estão direcionadas ao uma verdadeira homenagem da cultura brasileira e quando você tudo aquilo pra tocar no som, ainda assim, é também heavy metal, mas um heavy metal que banda de lugar nenhum outro lugar do mundo poderia ter feito, nem um Iron Maiden, ou Judas Priest ou Metallica ou qualquer outro nome poderia fazer, era um metal tipicamente brasileiro, Cosa Nostra, Made in Brazil.
Ao apertar o play ouvimos um som de pássaros na floresta seguido por um canto gregoriano renascentista europeu, é Crossing a abertura do disco, baseado numa obra de Palestrina, compositor italiano do século XVI, essa introdução de ar clássico é breve, pois é na sequencia já começa o disco pra valer, Nothing to Say, o peso vem somado a um suingue diferente, quase dançante, o foco principal é seu marcante riff de guitarras e as levadas de bateria, somados a um enxerto de flauta bem brasileiro e um interlúdio semi clássico de teclados. A letra do ponto é o ponto de vista do conquistador europeu que relembra atrocidades cometidas na conquista das novas terras, em seu encerramento a música se entrega totalmente a um maracatu e logo percebemos que o que estamos ouvindo é um tipo totalmente não ortodoxo de metal.

Em Silence and Distance temos uma visão poética dos aventureiros que lançam ao mar, começa e termina de forma belíssima ao piano, o peso se encontra no centro na canção, mas é ritmado por batidas nada convencionais para o metal, nota-se claramente a influência da música afro nesse disco, principalmente na inspiração dos ritmos que guiam as canções.  A letra é simplesmente linda e inspiradora, em mim, particularmente, dá vontade de pegar as coisas e viajar para lugares novos, em particular, e move muito esse trecho:

“Now let me go
Away across the sea,
The waves can't be as high
As they pretend to be”

Se até aqui, meu queixo já estava bastante baixo com esse disco, é na canção seguinte que ele foi ao chão e determinei que esse seria meu disco predileto do Angra, Carolina IV, a narrativa de um navio que sofre uma tempestade no mar levando a vida de toda sua tripulação inicia ao som de tambores africanos e vozes entoam, em português, uma louvação a Iemanjá, em inglês, o personagem principal da história conta a história do navio que parte em busca de novas terras, mas tudo que encontra é um fim trágico que leva o personagem a das frases mais forte da música:

“Human dreams have sometimes cost their lives,
All their lives dreaming”

O riff da música é um speed metal, ou seja, mais aceleradinho, mas no meio há um interlúdio onde a canção vira uma verdadeira sopa de referências, todas muito bem amarradas de forma que tudo fica bastante coerente, há enxerto da música Bebe de Hermeto Pascoal, um dos músicos brasileiros mais cultuados do mundo, exceto por brasileiros, inserções de piano clássico e um solo de corda, que vou ser sincero ainda não sei dizer se é violino ou violoncelo, tudo para desaguar numa orquestração que traz de volta o speed metal encerrando a história do malfadado Carolina IV, e no fim de tudo voltamos ao maracatu inicial e a música encerrar com sua louvação a Iemanjá. Uma verdadeira epopéia conceitual de 10 minutos de duração.

A faixa título Holy Land tem uma poesia meio abstrata, a mim parece uma declaração de amor à terra, toda música é baseada num piano tocado no ritmos do berimbau, uma releitura de ar clássico das canções de capoeira, acompanhado de percussão no mesmo ritmo, o metal dá uma olás ao longo da canção, mas aqui, a grande estrela é o piano. A próxima canção The Shaman tem a história de um pajé tentando trazer alguém de volta a vida, seu maior destaque e a fala, também em português de um verdadeiro pajé falando sobre ervas medicinais.

Make Believe é a estranha no ninho, principalmente por não haver nenhuma referência a musicalidade brasileira ou ao conceito principal do disco, uma balada açucarada típica do metal melódico, sua letra trata de sofrência para sertanejo nenhum botar defeito. Aliás, o solo de guitarrada ao final da canção é sensacional, daqueles de fazer air guitar. É também um dos clássicos do Angra, dada sua beleza, inclusive ganhou um clipe bastante lisérgico.


Z.I.T.O. é um dos grande mistério do Angra, já que ninguém sabe exatamente o que significa, corre uma lenda que é o apelido dado a um jovem que vivia pelas cercanias da chácara onde a banda se recolheu para a pré produção do disco e foi pego em situação embaraçosa. A banda nunca confirmou isso, mas usam esse trecho da música como pista:

“Like a teenager discovery
What's more delightful than this?”

Enfim, vá se saber.

O disco chega sua conclusão com duas canções que não podiam ser mais diferentes uma da outra, Deep Blue é dramática e grandiosa, órgãos bachianos, interlúdio gregoriano terminando num epic metal  e Andre Matos carregando nos agudos. As letras são um poesia sobre a solidão nos oceanos, enfim tudo é grandioso, com ares de clímax, mas nem nisso a banda queria soar previsível e o disco termina da forma mais frugal possível, Lulaby for Lúcifer nada mais é que um voz e violão do diálogo entre um abutre e um homem, aparentemente moribundo, por um pedaço de carne, a música é acompanhada pelo som ambiente de gaivotas na praia, som esse que encerra o disco.

Angra 1996 da esquerda para direita: Ricardo Confessori, Rafael Bittencourt, Andre Matos, Kiko Loureiro e Luis Mariutti



Holy Land foi e continua sendo um disco muito importante para mim e considero de verdade um dos grandes momentos do metal. Para comemorar os 20 anos do disco tanto o Angra quanto o vocalista Andre Matos estão fazendo turnês comemorativas nessa segunda metade de 2016. Uma pena morar tão distante do eixo cultural do país, mas sinceramente espero que tragam ao menos um dessas turnês para o Acre, até porque um disco tão brasileiro quanto Holy Land merece ser comemorado em todos dos cantos do país. 

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Esquadrão Suicida é bom, mas tem defeitos.

Esquadrão Suicida é um filme bom, mas com defeitos. É entretenimento, básico, raso e divertido pacas. Seus carros chefes, obviamente Pistoleiro e Arlequina esbanjam carisma em seus personagens, destemidos e divertidos, mas com insinuações de profundidades trágicas em seus personalidades, Pistoleiro o pai em busca do amor da filha, Arlequina a dependência emocional doentia de seu amante coringa. A história é basicamente regimental, violões, ameaça ao mundo, envolvimento do governo americano, reuniões ultra secreteas, raio azul e explosões grandiosas em CG, diverte e satisfaz. 

Os defeitos do filme estão em seu roteiro, onde temos um grupo de personagens onde boa parte deles tá lá só pra completar o time, Crocodilo, Katana, Capitão Bumerangue e Amarra praticamente não têm personalidade na história, não gera empatia e você, basicamente, não dá a mínima pra eles. El Diablo já foi contemplado com um arco completo de história, personagem silente, visual estilizado convivendo com o peso de uma tragédia pessoal sobre os ombros é um personagem que encontra sua redenção no final.

Amanda Waller é a típica chefona, durona, emburrada, fdp de marca maior, em interpretação perfeita de Viola Davis, você adora ela, a não ser que ela fosse sua chefe. Rick Flagg é o tipico herói americano, coragem, bravura, honra, amor, é dele o drama amoroso da história, ama a vilã, tem confrontar seus sentimentos com seu senso de dever e blá blá blá, aquela velha história, você já viu esse filme antes. 

E temos, claro, não dá pra deixar de citar, Coringa, Mister J, a nova encarnação do palhaço vestindo roxo, Jared Leto atuando mandando bem no persoangem, embora nao faça jus a todo aquele hype em torno do "método", enfim, ótimo personagem, totalmente subutilizado na trama, serve pra explicar a origem e os dramas de Arlequina, mas só. Aliás insistiram em botar ele na trama principal, pura jogada de marketing, ele não faz diferença alguma, não agrega nada à história. Merece o antagonismo principal em algum próximo filme da DC, o novo solo do Batman quem sabe.

Nota: Ben Afleck ainda não me desceu como Batman/Bruce Wayne, mas enfim...

Acho que temos já um universo ficcional da DC mais estruturado após esse filme, minha opinião, você vai gostar do que vai ver. Carece um pouco mais de cuidado nos roteiros, mas isso pode ser arranjado, elementos para fazer um Suicide Squad 2 fenomenal não faltam. O Esquadrão é uma pedra bruta que precisa ser lapidada para virar uma joia.