terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Django, Bastardos e uma Puta Trilha Sonora



Um dos filmes mais comentados, resenhados e criticados desses últimos dias tem sido o último lançamento do famigerado Quentin Tarantino, Django Unchained (Django Livre), aliás, o filme tem sido alvo de moderadas críticas, inclusive, por parte dos fãs de Tarantino, principalmente quando compara este à obra anterior do diretor, Bastardos Inglórios. Num primeiro momento minha tendência foi gostar mais de Django que de Bastardo, por isso no fim de semana assisti-o novamente para fazer uma pequena comparação, qual não foi minha surpresa quando ainda assim, continuei gostando mais de Django, mesmo sendo o Bastardos um filme obviamente superior.

Bastardos tem um acabamento melhor onde duas histórias independentes são contadas concomitantemente no melhor estilo narrativo tarantinesco, ligadas apenas pelo divertido, sádico e por vezes assustador Coronel Hans Landa, não há pontas soltas no filme, não há cenas desnecessárias, enfim, não padece dos defeitos de Django. Este, por sua vez, é uma história simples, porém alongada, cheia de cenas e reviravoltas desnecessárias, as mesmas reclamações que muita gente fez ao Hobbit de Peter Jackson.

O que me cativou mesmo em Django e me fez cego a todos os seus evidente defeitos foi a trilha sonora. Um espetáculo. A melhor de um filme de Tarantino desde Kill Bill. Ouvi a trilha de Django antes de seu lançamento aqui no Brasil e percebo agora que já fui assistir ao filme amando-o pelas músicas que ouvi! Tarantino mistura as canções épicas de Ennio Morricone e Luis Bacalov com o Rap e o Country americanos criando uma coletânea fantástica de canções. E tal coletânea fica ainda mais soberba quando adicionada às imagens do filme criando o clima perfeito para o espectador, desde o contemplativo das montanhas e vales até o eufórico dos tiroteios.

Tarantino pode ter errado a mão em diversos pontos do filme, mas, assim como em Kill Bill, que padece de muitos vícios similares a Django, ele acertou em cheio na escolha das canções. A Trilha Sonora de Django é uma obra a parte, ela é fantástica tanto dentro do filme quanto ouvida em separado! Ela, ainda mais que o filme, é uma verdadeira e digna homenagem ao faroeste italiano. Ouça-a!

P.S. não abordei aqui a questão das excelente atuações de Django ou ainda da polêmica envolvendo seu tratamento a um tema tão polêmico quanto o racismo nos EUA, mas há farta e ótimas críticas na internet abordando essas questões, por isso vou me eximir de falar sobre isso aqui!

Gildson Góes 
Postar um comentário