domingo, 10 de março de 2013

Resenha: Se um viajante numa noite de inverno...


Sempre é bom começar um ano com um bom livro, no meu caso esse livro foi “Se um viajante numa noite de inverno...” de Ítalo Calvino. Um livro fantástico, original, metalingüístico, pós-moderno, além de muito divertido. O tema principal é a leitura, mais precisamente o amor a leitura, o personagem principal, o grande herói, o próprio leitor. Basicamente o livro é a odisséia de um leitor aflito que não consegue terminar de ler um livro e acaba vivenciando situações kafkianas ao tentar de todas as formas possíveis terminar de ler uma história.

Tudo começa quando o leitor vai a loja comprar o novo livro de Italo Calvino, ao chegar em casa e começar a leitura fica estupefato ao perceber que, por um erro de impressão o livro só vai até a página 30, todo o resto é repetição do que já foi lido nas mesmas páginas, assim entra o leitor num labirinto de situações estranhar, personagens bizarros e conspirações malucas, além de várias e várias histórias incompletas, cada uma fazendo parte de um estilo literário, perpassando pelo policial, suspense, aventura, romance, erótico e até mesmo um conto apocalíptico e surreal de encerramento, além de diversos outros.

No meio de toda essa confusão, Calvino trabalha a leitura, o amor pelos livros, discute o sentido e o destino da literatura de várias formas, através de vários personagens que personificam vários tipos de leitores e até mesmo escritores e editores. Além de abordar questões como o valor da literatura para a sociedade e a questão dos direitos autorais. Não raro nos perguntarmos ao longo do livro, que tipo de leitor eu sou? Qual minha relação com os livros? Há um tipo ideal de leitor? Há um tipo errado? O que é e qual sentido da literatura? Essas, pelo menos, foram as perguntas que me vieram a mente, mas a outros potenciais leitores dessa ótima obra, podem vir muitas outras.

“Se um viajante numa noite de inverno...” é um livro para leitores e mais ainda para amantes da literatura. Recomendadíssimo.
Postar um comentário