quarta-feira, 7 de maio de 2014

O ANGRA VEM AÍ!!

Dia 31 de maio a cidade de Rio Branco será palco de um evento inédito quando se fala em Heavy Metal, falo do show da banda paulistana Angra, que durante os anos 90 e início dos anos 2000 foi um dos maiores e mais influentes nomes do metal brasileiro.

Após seu sexto álbum “Aurora Consurgens” a banda passou por altos e baixos como: má aceitação do disco, saída de membros, etc., enfim a banda começou a sumir da mídia dando lugar aos projetos paralelos de seus integrantes. Em 2010 foi feita uma tentativa de retorno às atividades com uma turnê conjunta ao lado do Sepultura, também com o lançamento do disco Aqua, mas, por problemas que só os membros da banda sabem totalmente, a química não rolou como antes e, creio, a gota d'água foi fraquíssimo show no lendário festival Rock in Rio, que culminou com a saída do vocalista Edu Falaschi pouco tempo depois.

Uma nova tentativa para reativar a banda  está sendo feita com a turnê de 20 anos de aniversário do disco Angels Cry, debut da banda, um dos álbuns de metal mais importantes do Brasil. O que se pode dizer até agora é que a banda vai muito bem, com o músico italiano Fabio Lione assumindo os vocais o Angra segue fazendo shows por todo o Brasil e em diversos cantos do mundo. O DVD ao vivo recentemente lançado é uma amostra do ótimo momento que a banda vive, quem por acaso viu o triste show do Rock in Rio precisa urgentemente dar uma boa olhada nesse material, que mostra os músicos em todo seu vigor e competência musical.

O que é uma alegria para todos os fãs de Heavy Metal acrianos que irão receber a banda num ótimo momento, com todos os ingrediente necessário para um excelente e histórico show a ser realizado em nossa terra.

As 10 mais...

Inspirado por esse evento decidi fazer uma lista com as minhas 10 canções favoritas da banda, nem todas as canções que seguem são hits, a maioria na verdade passa injustamente batida pelos fãs, embora para mim sejam verdadeiras obras primas:

Carolina IV

Música do segundo disco da banda Holy Land e até hoje a minha favorita, é um épico conceitual de 10 minutos de duração que mistura batidas de música africana e brasileira, movimentos de música clássica e riffs de guitarra cheios de suingue. Uma obra prima, o tipo de música que só poderia ser compostos por uma banda brasileira. A letra conta a história de um navio que nunca chega ao seu destino. Além de ser farta em referências, como o coral que inicia e termina a canção com versos em louvor a Iemanjá ou ainda um pequeno solo de flauta no meio da canção, que remete a canção Bebe de Hermeto Pascoal. Ouça!

 

Make Believe
 
Também do segundo disco Make Believe é uma balada de grande beleza, é baseada nos teclados e piano, e também é um dos melhores trabalhos de vocal de Andre Matos, primeiro vocalista do grupo. A letra é vaga e parece falar de várias coisas, arrependimento, esperança, recomeço... enfim um significado para cada um que escutar.


Time

Canção do clássico disco Angels Cry, mescla elementos da música clássica com uma introdução baseado em piano, violões e violoncelos além um vocal limpo e suave de Matos caindo direto num hard rock e vocais mais agressivos, o refrão dessa música é simplesmente marcante, não é a toa que é presença certa em quase todas as turnês da banda.


Sprouts Of Time

Música do quinto disco da banda o ambicioso Temple of Shadows, Sprouts of Time é uma música incrivelmente injustiçada, não vejo ela em set lists da banda desde a turnê do referido disco. É uma mistura de heavy metal com MPB e Samba numa fusão perfeita, Edu Falaschi, vocalista dessa canção está simplesmente sublime, o refrão é forte e marcante e há um pequeno dueto de violão e piano no meio da canção que é uma coisa de derreter os miolos, simplesmente genial. Ouça uma, duas, três, quatro, quantas vezes quiser, não dá pra enjoar! Não esqueça de prestar atenção à letra, uma belíssima letra sobre Recomeço e Esperança feita através de uma metáfora de uma planta que cresce para exemplificar a vida, poesia pura gente!


Gentle Change

Torço muito pra que essa música esteja no Set list do show de Rio Branco, uma vez que ela já faz parte da atual turnê, Gentle Change pertence ao terceiro disco da banda Fireworks é uma linda canção sobre envelhecer, sua letra é de uma grande beleza poética, pra quem não entende inglês vale a pena procurar a tradução. A música é tão linda quanto a letra, possui riffs marcantes de guitarra, refrão feito na medida pra cantar junto, além de piano e percussão ao fundo trazendo uma boa dose de suavidade à canção. O encerramento é um duo de guitarras e piano com toques abrasileirados que é de cair o queixo, recomendo.



Reaching Horizons

Se o Queen possuía em We Will Rock You e We Are The Champions seus dois grandes hinos, daqueles pra cantar junto em grandes estádios, o Angra também os têm, um deles é essa música arrebatadora, lançada na primeira Demo da banda, começa com um dedilhado triste ao violão que vai crescendo até estourar numa canção grandiosa, épica, cheia de imagens vívidas e grandiosas, o refrão vai simplesmente grudar da sua mente por muito tempo, pode crer é ouvir uma vez pra não esquecer nunca mais.


Heroes of Sand

Se Reaching Horizons foi o primeiro hino esse é o segundo, uma valiosíssima contribuição de Edu Falaschi para a banda, criou um clássico inesquecível tão épica quanto a anterior, com um refrão tão grudento quanto, daqueles pra cantar com um isqueiro ou uma tela de celular (vá lá) levantado para o alto!


So Near So Far

Amado ou odiado pelos fãs, Aurora Consurgens foi um disco polêmico na carreira da banda, possuía quase a mesma ambição de seu antecessor Temple of Shadows, inclusive, musicalmente falando, é muito parecido com ele, mas parecia que tinha algo faltando, ao que parece, a banda não andava muito bem internamente na época de sua gravação, isso pode ter interferido no resultado final. Mas goste-se ou não do disco ele possui uma pérola escondida, a canção So Near So Far, uma mistura de música oriental e brasileira inseridas num heavy metal técnico e complexo bem ao estilo de seu compositor Kiko Loureiro, além um breve, porém genial solo de violão inserido no meio da canção. Por isso você pode odiar o Aurora Consurgens, mas só pelo fato desta música estar nele, redime todo o disco.


Weakness of a Man

Sétimo e até o momento último disco da banda, Aqua foi um pouco decepcionante, tentou juntar a ambição do Temple com o carisma do Rebirth (disco onde está a heroes of sand, a propósito), mas falhou em ambos. Não é ruim, mas houve todo um alarde com mini documentários semanais no YouTube registrando o processo de gravação e anunciado como o melhor da carreira da banda e o que recebemos foi um disco bom, nada mais. Composições que não refletiam todo o potencial do Angra, muitos clichês mal colocados, até a típica sonoridade brasileira soou deslocada nesse disco, exceto por Weakness of a Man, penúltima do disco e a melhor de todas, tudo aqui está no lugar, groove, aquele suingue com jeito brasileiro, refrão forte e excelentes riffs de guitarra. Uma música que merece ser ouvida e na minha opinião devia ser mais executada durante os shows.


Petrified Eyes

Encerrando essa lista outra do Fireworks, Petrified Eyes merecia estar na lista só pelo dueto de guitarras que a inicia, arrebatador, com toques de country que vai levar você direto a paisagens desérticas de faroeste e depois lhe jogar num speed metal pesadíssimo, com vocais que conseguem ser agressivos e líricos ao mesmo tempo. Aqui não há toques de música clássica, nem suingue brasileiro, não há piano ao fundo para suavizar nada, essa música é um rock'n roll puro, na lata, sem frescura e de altíssima qualidade.


Enfim, espero ter aguçado a curiosidade do leitor que não conhece a banda e, quem sabe, apresentado algumas pérolas que passaram despercebidas daqueles que já conhecem por cima o trabalho dos caras.

E que venham 31 de maio e muitos outros shows tão bons quanto esse.

Postar um comentário