domingo, 12 de março de 2017

Celulares e Gorilas - dois filmes com Samuel L Jackson

Sou fã de Samuel L Jackson desde seu famoso monólogo Ezekiel 25, 17 em Pulp Fiction e sinceramente acho ele um excelente ator. Porém, Jackson, apesar de talentoso, parece não se importar muito em fazer filmes B, aliás, não se importa em fazer filmes toscos mesmo, como esquecer o clássico Serpentes a Bordo ou aquele dos tubarões cujo nome nem lembro. Com certeza ele tem cacife suficiente para escolher só filmes fodões pra estrelar, mas acho que o maior interesse do velho Jackson é mesmo se divertir fazendo seu trabalho.

Particularmente não me importo, até me agrada saber que posso ver um dos meus atores favoritos brilhando num filme do cacife de Tarantino, num blockbuster da Marvel ou na produção B de um diretor que nunca ouvi falar com dois ou três filmes igualmente desconhecidos no currículo. O problema é quando o filme, além de B, é ruim e apesar de ter Samuel L Jackson ele atua tão mal quanto um ator de novela religiosa da Record, como ocorre no filme abaixo:


Cell (2016) - de Todd Williams 


Num belo dia um artista gráfico, Clay Riddel, desembarca no aeroporto de Boston quando todas as pessoas ao seu redor enlouquecem de uma vez e começam a agredir bestialmente umas as outras devido um sinal misterioso que sai dos celulares. Armado unicamente com seu portfólio, já sacando que tem uma parada apocalíptica rolando ele parte rumo a sua casa para salvar sua família (o clássico herói americano), no caminho ele encontra seus companheiros de jornada Tom e Alice, dois personagens convenientemente sem família pra salvar, que na falta de coisa melhor que fazer seguem com Riddel na sua jornada.

Lá fora o mundo tá dominado pelos zumbis (?), boto a interrogação, porque os sujeito não comem gente, simplesmente matam e depois começam a transformar os outros em zumbis também, mas não mordendo, lembra do sinal que saia do celular, pois então, ele começa a sair da boca dos sujeitos e enlouquecem (zumbificam) quem escuta esse troço perto do ouvido. No mais é isso, eles vão viajando por ambientes desertos com relativa segurança já que os tais zumbis desligam a noite, encontram outros sobreviventes e vão avançando até chegarem no final mais anti-climático possível. Tá vendo essa foto aí em cima, que remete a algum clássico de George Romero, pois é, lorota, mal aparecem cinco zumbis por cena e não vi helicópteros no filme.

O filme é baseado no livro Celular do Stephen King, que na moral, já escreveu coisas melhores, mas o livro até traz umas premissas interessantes, que bem exploradas por um bom diretor e roteirista podiam ter deixado esse filme muito mais interessante. Os zumbis são telepatas, comunicam-se entre si e funcionam como um organismo único, a noite todos param e ficam ouvindo uma misteriosa música que sai de seus aparelhos celulares e outros equipamentos eletrônicos que são reunidos pelos próprios zumbis. Com o tempo essa telepatia começa a afetar também os sobreviventes que são guiados contra a vontade para onde os zumbis desejam que eles vão, ou seja, além do incomodo fato de ter que lidar com o fim da civilização como a conhecemos e sobreviver a ataques de zumbis, nossos heróis precisam lidar com o fato de que os falecidos leem mentes e sabem exatamente tudo o que eles estão pensando. O plano pra deter as criaturas envolve uma trama até bastante engenhosa envolvendo o suicídio do cara de teve o plano e Clay Riddel, nosso heróis tendo que dar uma de Sherlock Holmes e sacar de última hora qual a ideia do sujeito pra destruir os zumbis telepatas. Isso ocorre lá pelas ultimas partes do livro e é a parte mais interessante.

Ocorre que no filme isso é aproveitado tão superficialmente que deixa até de fazer sentido, principalmente levando em conta o final sem noção, aliás, noção tem, não teve foi graça. 

Onde Jackson entra nessa história, ele faz o papel de Tom, o amigo de Clay Riddel, que é interpretado por John Cusack e só posso pensar que tanto Jackson quanto Cusack tavam devendo um favor a alguém pra terem feito uma atuação tão ruim e de má vontade, ambos estão no piloto automático, não conseguem fazer outra expressão que não a de tédio. O mundo tá acabando ao redor e eles com cara de fila de banco. Credo!

Esse filme podia ter sido dirigido por Eli Roth, que provavelmente não teria um pingo de respeito pelo roteiro de Stephen King (sim, foi o próprio escritor que conseguiu estragar ainda mais a própria história) e quem sabe teria entregado um filme decente. Isso já ocorreu antes em O Nevoeiro e ainda antes com o Iluminado, Kubrick transformou um livro bom num filme clássico, King odiou, mas se for pra King amar as adaptações de seus livros e entregar coisas como Cell, seria bom que os diretores dessem um foda-se pro que pensa o escritor. 

Kong - A Ilha da Caveira (2017) - de Jordan Vogt-Roberts
A nova releitura do clássico filme do Gorilão também tem a participação de nosso querido Samuel L Jackson, que aqui também, não entrega todo seu potencial de atuação, mas comparado a Cell essa atuação valia até um Oscar.

O filme acompanha a história de Bill Randa um executivo, empresário, sei lá o que de uma empresa que leva uma expedição a uma ilha desconhecida (no pacífico? Deve ser, sempre é no pacífico, não lembro bem desse detalhe), isso logo após o final da Guerra do Vietnam. Na expedição estão a tropa do Coronel Preston Packard (Jackson) o clássico chefão militar enlouquecido pela guerra, aliás, frustrado pela rendição dos Estados Unidos e louco pra comprar e vencer uma briga nova. Mas além das tropas Randa precisa de um especialista em sobrevivência na selva e vai a um puteiro na China encontrar James Conrad (Tom Hiddelston, num puteiro? Na china? É sério que eles querem me convencer que se vou num puteiro chinês em meados dos anos 70 vou encontrar Tom Hiddelston jogando sinuca e comprando briga lá, não cara, não convence) o mateiro, digo o guia da expedição, e por motivos que sei lá, levam também uma fotografa pacifista Mason Weaver (Brie Larson).

Formada a comitiva eles vão pra ilha, chegam lá de helicóptero, jogam bombas pra testar a sísmica do solo, o que irrita pra cacete o Kong que aparece do nada e mata metade da galera, o resto sobrevivente se divide em dois núcleos, os bonzinhos Hiddelston e Larson e os militares liderados por um emputecido Samuel L. Jackson que não quer nem saber de sair da ilha, quer é matar o macacão. 

O núcleo bonzinho obviamente vai encontrar a clássica tribo que mora na ilha, um sobrevivente americano da Segunda Guerra pra fazer a ponta comunicacional e vão aprender a história e Kong e como na real ele é o bonzinho e não vilão. Esse núcleo não funciona muito bem, o personagens não tem arco e entram e saem do filme do mesmo jeito, esquecíveis, exceto Hank Marlow, o sobrevivente da segunda guerra, uma graça do início ao fim do filme. O núcleo militar funciona melhor, são divertidos e muitos deles fazem a evolução do personagem na história, o que faz a gente realmente se importar com eles, já Packard, o coronel malvadão, faz o arco inverso, começa ruim e termina pior ainda em sua obsessão com uma vitória.

Lendo até aqui pode parecer que não gostei do filme, pelo contrário, eu adorei. Se seus personagens humanos não são lá essas coisas todas, isso pouco influencia, porque o filme não é sobre eles é sobre Kong e sua Skull Island, e que gorilão da porra senhores, o maior já feito no cinema, a ilha é belíssima, o que é ressaltado por uma fotografia sensacional, ótimos efeitos e cenas de ação de tirar o folego e afinal foi isso que os trailers prometiam e é isso que o filme entrega (e foi pra isso que fui cinema). O diabo do macacão faz picadinho de helicópteros, destrói montanhas, desse o cacete em lagartões gigantes em cenas muito influenciadas pela estética dos animes orientais. 

Kong é uma ótima atualização de história clássica que não busca prestar homenagens, mas abrir possibilidades pra exploração de novos horizontes, dizem que a intenção da legendary é criar um universo de monstros onde Kong, Godzila e até mesmo os Kaijus de Pacific Rim co-existam numa mesma realidade ficcional. Mas se não der certo também é um excelente filme de Kong, deixa um gosto de quero mais ao final. 

Ah, falei de Samuel L Jackson no início, pois bem, ele atua bem, cumpre seu papel, mas uma direção melhor dava pra ter espremido um pouco mais do ator e deixado seu personagem mais marcante. Não faz feio, mas a gente sabe dos potenciais de Jackson quando bem dirigido.


Postar um comentário