domingo, 28 de setembro de 2008

A Balada de Chico Moreno e o Bicho Feio - Canto Terceiro

III – O Bicho Feio

Deus me livre e guarde!
Vamos sair daqui onde o sol não bate
Para falar desse bicho sinistro
Tomo a mão meu crucifixo

Dizem alguns da região
Que esse bicho é filho do cão
ou veio de outro planeta/
a espantosa aberração
Diz uma facção religiosa
Embora essa seja opinião duvidosa
Que ele é o anjo de deus
Que vem cobrar os pecados teus


É tão feio que te mata no olhar
Dizem que faz defunto levantar,
Que convoca assombração
Que causa ataque no coração
Dizem que é mestre em visagens
Muda como quer, bicho, planta ou paisagem
Sina pior que ele não existe
Destino ruim, cruel e triste.

O Bicho feio tinha a fama
De matar só gente injusta
E poupar gente santa
Então seja sujeito correto
Que o bicho nem passa perto
Seja um sujeito malvado
E vai ver o Bicho Feio ao teu lado.

Mas de tudo isso se dizia
Era lenda, nem medo fazia
Aconteceu que um dia
Um cabra metido a macho
Matou a esposa e o amigo na faca
Pensando ter sido enganado
Ao ver o erro cometido
Correu pro mato fugido.

O caso causou comoção
O povo ficou espantado
Exigiram punição
Pelo crime do casal assassinado.
E qual não foi a surpresa
Da justiça ao entrar no mato
Nem mesmo precisou correr
O encontraram na castanheira, enforcado.

_ Lá está ele enforcado – disse o guarda
Mas quem o terá lá amarrado?
_ Naquela altura deve ter dado um trabalho do cão
Só pode ter sido assombração. – disse outro
_ Só uma vez ouvi falar desse feito
E foi obra do Bicho Feio
_ Será esse troço real?
Que Deus nos livre de mal!
_ Olha que eu posso ta errado,
Mas se isso for certo,
Tudo que é bandido ta ferrado.

Foi assim que recomeçou
A lenda do Bicho Feio
Que fez valentão do mal
Borrar as calças de medo
Postar um comentário