sexta-feira, 8 de setembro de 2017

O Nevoeiro 2017

O Nevoeiro é um dos melhores contos de Stephen King. É a abertura da sua segunda antologia de contos chamada Tripulação de Esqueletos. Enorme como ele só é quase um livrinho separado dentro da antologia, merecendo até divisão em capítulos. Anos mais tarde foi transformado num filme melhor ainda pelas mãos do mestre Frank Darabont que já adaptou com maestria outras duas obras de King, a saber, Um Sonho de Liberdade e À Espera de Um Milagre. Mais cruel, mais visceral e pessimista que a própria obra escrita, o filme é um primor, o próprio autor reconheceu a reviravolta final de Darabont no filme superou a sua no livro.

E então veio a Netflix...

Eles não destruíram a obra, quem quiser uma excelente experiencia em fantasia, terror e tensão, pode buscar as obras referenciadas ali em cima. Porque com certeza não é o que vocês vão encontrar na versão na Netflixiana da obra.

Aparentemente, sem dinheiro para fazer um Nevoeiro decente, os produtores da série resolveram focar nos aspectos psicológicos da obra. Logo em vez uma bruma repleta de monstros que bobeou dançou, temos aí uma fumaça CG bem mais ou menos que mata aleatoriamente, é lerda e aparentemente sabe ler mentes e usar... bem eu não entendi se os piores medos ou as piores culpas das pessoas para matar elas, mas nem sempre as vezes aparece só alguma bizarrice tipo o rapaz transformado em mariposa gigante ou o cara das sanguessugas, enfim. 

Acho que a pior coisa é que o Nevoeiro, tão letal na obra original, enquanto algumas pessoas não aguentam uma passagem num corredor cheio de névoa, outros saem correndo no meio dele, param, gritam pelos outros e até atravessam a cidade ilesos. Ou ainda enfrentam no mano a mano, com bastante sucesso, as aparições assassinas. 

Mas assim como no original, o nevoeiro é apenas um pretexto, um elemento de tensão, porque o horror mesmo acontece através dos personagens humanos. Ou deveria. Particularmente, fora o heroico pai de família personagem principal.... pera aí vou aqui pesquisar o nome dele.... Kevin, então o Kevin começa a série incrivelmente chato, mas termina de forma primorosa quando, já nos últimos capítulos ele percebe que todos na cidade viraram uns cuzões de merda, não vou contar o que ele faz, iria estragar, mas se você enfrentar o marasmo até o final, vai se sentir recompensado.

De resto, temos, Alyssa Sutherland a rainda Auslaug em outro papel irritante (será que é a atriz?) como Eve esposa de Kevin e mãe de Alex uma jovem envolvida numa dramalhão de novela mexicana. Mais um punhado de coadjuvante chatos, desinteressantes que você só queria que o nevoeiro pegasse logo.

E vamos falar dos ahn... vilões.... nossa que reunião de vilões medíocres temos nessa série, temos a tensão fanática religiosa na pele de uma senhora New Age que nem de longe chega aos pés da assombrosa Sra. Carmody e sua arenga cristão apocaliptica, aqui vira uma palavreado manso sobre a natureza, a vida e a morte, Nathalie a nova porta voz do fim dos tempos, só consegue reunir quatro gatos pingados e ainda perde os dois no caminho. Temos o lobo em pele de cordeiro que só se revela ao final, patético, o segurança estérico, ridículo, o militar misterioso, irrelevante. 

Por fim, outro defeito é que pelo visto, para os roteiristas, em situação de Apocalipse sobrenatural, ninguém é capaz de uma atitude racional, fazem burrices, coisas loucas e sem razão, sexo fora de hora e criam teorias mais patéticas que a Terra Plana pra explicar o fenômeno. 

O que mais aterroriza em toda série mesmo é o gancho final para uma segunda temporada. Me arrepia pensar em mais dez episódios desse troço.

Vá por sua conta e risco! 

Cena mais legal da série e acontece no primeiro episódio, de resto é só decadência.
Postar um comentário